Glossário de Sânscrito

glossario-derose.jpg
glossario-derose.jpg
sale

Glossário de Sânscrito

2.00 4.00

Conheça o significado e a escrita correta dos termos sânscritos adoptados por várias filosofias. 

Adicionar ao carrinho

Quando se escreve o sânscrito em caracteres latinos, chama-se transliteração. Existem várias transliterações, convencionadas para o inglês, para o francês, para o português, etc.

Quem lê livros de Yôga, geralmente fica desorientado ao ver a mesma palavra sendo grafada das mais variadas e estranhas maneiras; e acaba, não raro, assimilando uma forma menos correta, mas que tenha logrado tornar-se mais popular.

Nesta obra optamos pela transliteração mais usada na Índia, pois, se o Yôga vem de lá, faz sentido não modificar a forma de escrever seus termos. Além disso, esta que adotamos é mais fácil e muito mais lógica, haja vista o nome do criador do Yôga. Ele aparece nos diversos livros com as seguintes grafias: Shiva, Siva, Çiva, Civa, Shiv, Siwa, Xiva e outras…

A primeira das variações acima é a que adotamos, pois, além de ser uma forma largamente utilizada na Índia e no inglês, permite imediata compreensão da pronúncia chiada da primeira sílaba, em quase todos os idiomas. As demais formas só poderão ser lidas e pronunciadas por quem já conheça o sânscrito, sendo que as três primeiras alternativas estão corretas e as demais deturpadas.

Não use letras maiúsculas para escrever os termos sânscritos comuns. Como em qualquer outra língua, no sânscrito só escrevemos com letras maiúsculas os substantivos próprios ou em início de frase. Portanto, não se justifica o erro de grafar as palavras desse idioma sempre com iniciais maiúsculas (Chakra, Mantra, Ásana, etc.) ou, pior, com tudo maiúsculo (Yôga, SWÁSTHYA, etc.), como se estivesse gritando com o leitor. Isso só se usa ao escrever à mão livre, para evitar confusão na leitura.